ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO II

Por: Fúlvia Zepilho

Ensinando os cães a ficarem sozinhos.
Para começar, ache um jeito de conter o cão, para ele não o seguir. Pode ser um portãozinho, uma caixa de transporte ou até mesmo, peça para alguém segurá-lo. No início faça sempre esse exercício.

Após ele ter se adaptado no primeiro passo, a próxima etapa é prendê-lo numa guia comprida para que ele tenha mobilidade, como se sentar, deitar, dar volta, entre outros. Assim que fizer isso, fique parado bem em frente ao cão, quieto, calmo e sem dar qualquer comando, como por exemplo, “Espere aí, volto em um minuto” ou “Fica”, pois queremos que o comportamento seja um padrão. Se seu cão estiver excitado, espere até que ele se acalme. Para esse exercício é necessário dedicar-se por um longo período, portanto só faça quando você estiver com tempo.

Aumentando o critério dentro do método "Trocentas Repetições"
- Se afaste um passo do cão. Se ele estiver calmo, clique e volte para ele.
- Se afaste dois passos do cão. Se ele estiver calmo, clique e volte.
- Se afaste três passos do cão. Se ele estiver calmo, clique e volte. Se ele não estiver calmo, espere até que ele se acalme, então clique e volte. Comece de novo, se afastando apenas um passo dele.

O método para aumentar o critério é conhecido como "Trocentas Repetições" (300 Peck). Ele faz com que você aumente o critério um passo de cada vez até que o cão falhe, então, volta o critério para o primeiro passo e começa de novo. Este método é uma maneira fácil de aumentar o critério além de alcançar uma razão alta de sucesso.

Com estes pequenos sucessos, logo você poderá sair da sala e sair da vista do cão. Faça o exercício em vários cômodos da casa e depois fora dela.

Sair da vista é um grande passo e aumentará o critério rápido demais se não forem feitas tentativas em outros locais primeiro. Em muitos locais fora de casa você pode se afastar dezenas de passos do seu cão antes de sair da vista dele. Quando você puder se afastar de 20 a 25 passos dele e ele permanecer calmo, volte para o primeiro lugar da casa onde você treinou e tente o “fora de vista”, aonde você vai para outro cômodo.

Quando for a vez dos “fora de vista”, comece contando segundos fora de vista, ao invés de passos de distância. O exercício agora usa o critério da duração ao invés do critério da distância. O objetivo é ser capaz de ficar longe do cão por longos períodos de tempo sem que o cão demonstre ansiedade. O exercício é o primeiro passo na direção deste objetivo, em circunstâncias controláveis.

Uma babá eletrônica pode ser de grande ajuda em estágios avançados deste exercício, assim quando você estiver longe, você poderá ouvir seu cão através deste aparelho.

E se meu cão falhar?
Se seu cão não permanecer calmo em nenhum dos passos acima, tudo o que você pode fazer é esperar que ele se acalme e volte. Volte o critério para um passo e tente de novo.
Comportamento ansioso é normal. Parece terrível, mas não pode durar para sempre. Se seu cão (ou ninguém perto) não corre risco de se machucar, espere. Mas caso seu amigo continuar muito ansioso o ideal é procurar a ajuda do veterinário comportamental.

Onde estão os petiscos?
Neste exercício não é necessário dar petisco, brincar ou oferecer qualquer recompensa. Se seu cão tem Ansiedade de Separação, tudo que ele quer é estar perto de você. Qualquer outra recompensa é desnecessária e pode até mesmo atrapalhar o exercício.

Para um cão que sofre de Ansiedade de Separação, sua volta é um reforço. Você terá a confirmação do reforço com a eficácia do exercício. Idealmente, o comportamento calmo irá aumentar e você será capaz de se afastar cada vez mais, ou permanecer fora de vista por mais tempo. Se este progresso não ocorrer, não continue o exercício até que você tenha procurado ajuda profissional.

Este exercício tenta aumentar o limiar de o quão distante você pode ficar de seu cão ou quanto tempo você pode ficar longe antes dele ficar ansioso pela sua volta. Mostre que você sempre volta se ele estiver calmo. Dar petisco irá confundir o cão. Se você der um petisco, não está mostrando ao cão que você sempre volta quando ele está calmo, ao invés disso mostra que ele ganha um petisco. Isto pode ou não ser um bom reforço para um cão que sofre de ansiedade de separação.

Observe e espere
Sabemos se este exercício produz mudanças no estado emocional? Não, apenas podemos observar o cão e os resultados. É observando o comportamento do cão que nos leva a acreditar que ele sofre de ansiedade de separação. Se não fosse assim, não teríamos com o quê nos preocupar, pois nem prestaríamos atenção na mudança do comportamento!

Este é um exercício básico e fundamental para o tratamento da ansiedade de separação. Tenha em mente que em qualquer caso de ansiedade de separação podem haver aspectos do problema que precisam de tratamento e orientação de um profissional competente e qualificado para obter os melhores resultados.

Sobre o autor: Aindan Bindoff é o editor do Positive Petzine,um site com vários artigos para donos de cães e adestradores. Ele vive e trabalha na Tasmânia, Austrália.
Fonte: http://www.clickertraining.com/node/1556?SSAID=181540

Dica da Ful
Uma dica para o cão não sofrer de Ansiedade de Separação é fazer o seguinte (para quem mora em apartamento também é fácil, já que fiz aqui): saia por intervalos curtos de tempo (jogar o lixo, sair e fechar a porta) várias vezes ao dia. E sempre volte ANTES do cachorro começar a chorar. No começo, será coisa de segundos mesmo. Aí, gradativamente, vai aumentando o tempo. Eu usei dois métodos: “trocentas repetições” e “tempo aleatório”. O primeiro método é assim: vc começa com 5 segundos. Vai aumentando o tempo em 1 segundo por vez. Lógico que, quando chegar a 60 segundos, pode ir aumentando o tempo em 5 ou 10 segundos, depende da evolução do cachorro. E o segundo método é você se ausentar por tempos indeterminados. Por exemplo, sai por 10 segundos, depois fica 1 minuto, depois fica 20 segundos, depois 5 segundos, depois 1 minuto e meio... assim por diante. Assim ele nunca vai saber quando você vai voltar (mas lembre-se: voltar sempre antes dele chorar). Se ele chorar, espere ele se acalmar e entre. E comece do começo de novo, ou seja, com 5 segundos (ou até menos).

Depois, você pode fazer isso em outros cômodos da casa. Eu fiz o treino aqui assim: saía, me fechava no quarto, depois no banheiro, depois na cozinha... ela aprendeu rápido, em uma semana não ficava mais chorando.

Outra dica, que eu fiz e faço até hoje, é tornar sua saída algo hiper agradável pro cão. Dê aquele petisco que ele mais gosta quando você for sair. Aquele brinquedo especial (deixe que ele eleja o brinquedo que mais gosta e só dê quando você sair), um kong recheado.

I m p o r t a n t e :  não se despeça com dó do cão... fique alegre, que ele ficará também. Hoje a Suzie não vê a hora de sairmos, porque ganha um monte de coisas boas.

Se você sempre coloca sapato, casaco, pega as chaves, etc, quando vai sair, comece a fazer isso para ficar em casa. Assim, ele não vai prever mais sua saída e já começar a ficar ansioso. Passear com ele antes de sair, brincar, enfim, cansá-lo, também ajuda. As chances dele dormir e relaxar depois de um belo passeio, sessão de brincadeiras e adestramento são muito maiores do que se nós simplesmente sairmos de casa sem termos dado atenção e exercício aos cães. Agora, por exemplo, fiz uma sessão curta de adestramento com a Suzie (15 minutos é o máximo por sessão, tá? Mais que isso o cão se entedia e não aprende) e ela simplesmente capotou aqui do lado. O que é bom, pois é durante o descanso, o sono, que eles captam o que aprenderam.


Você acabou de ler a segunda parte do artigo sobre Ansiedade de Separação, se não leu a parte anterior veja aqui Ansiedade de Separação - parte I

4 comentários:

  1. Fúl.. fantástico esse seu texto. Vou te falar uma coisa, que sempre falo para todos, o Zé tem um único defeito, apenas um, ele não fica sozinho por nada nesse mundo!
    Eu até consegui um resultado positivo com algumas dessas técnicas que você citou, e posso dizer que apesar de parecer que nada vai resolver, de repente eles se acalmam.. só que, no meu caso, como hoje o Zé fica 24h ao meu lado, tudo se foi por água abaixo..rs

    ResponderExcluir
  2. Zé Magrelo - whippet15 de novembro de 2008 23:56

    Eu não tô acreditando, com tantos assuntos diferentes (afinal vocês, humanos, estão sempre prontos para falar de tudo e de todos) você foi começar justo pelo meu ponto fraco!?!

    ResponderExcluir
  3. Oi Dé!
    Então,a Suzie tb hoje fica muito tempo comigo. Mas, quando precisamos sair, ela tb fica numa boa.
    Na época que a pegamos, eu tb ficava em casa. Mas, eventualmente, a gente sai. Então, desde o primeiro dia já comecei com esse treinamento. Tanto que ela destruia as coisas por conta da idade (filhote), mas nunca chorou, uivou ou fez nada devido à ansiedade de separação.
    Vc pode fazer esse "treinamento" sim, mesmo ficando em casa. A gente nuca sabe quando todos de casa sairão juntos, não é?

    ResponderExcluir
  4. Oi Zé!
    Justamente por isso que comecei com esse assunto =P Ele não é só o seu ponto fraco, mas o de muitos cãezinhos. Sabia que eu conheço uma senhora que já teve 5 cachorros e deu todos eles por causa desse problema? E quando eu falo pra ela que posso ajudar, ela diz que é trabalho demais e prefere se desfazer... depois eu pego outro e vejo se ele se comporta melhor... Triste, né?!

    ResponderExcluir