O que amo na Suzie

Suzie na chácara, um dos lugares que mais amamos ir

Puxa, amo tanto minha magrela que nunca escrevi nada sobre ela aqui. Que vergonha! Tsc tsc. Bom, antes tarde que nunca então, vou escrever um bocadinho sobre ela. Pra quem não a conhece pessoalmente, vai conhecê-la um pouco mais agora.

1. Quando chegou em casa, ou melhor, no aeroporto, eu parecia uma criança que ganha o melhor doce do mundo. Eu ERA uma criança que tinha ganhado o MELHOR cachorro do mundo. Aquela pequenininha, magrela, tremendo... deitadinha no meu colo. Nunca chorou, nem na primeira noite em casa. Educada desde berço.
Eu, toda sorrisos, assim que ela chegou em casa.

2. Educada, mas safada. Demorou alguns meses mas... destruiu algumas coisas em casa: antena do rádio, controle remoto, tênis, soutien, cabos de tv. Até ganhar um belo osso e desistir das coisas sem gosto.

3. Bastante esperta, desde o começo. Aprende bem rápido, a dona que ainda não aprendeu a ensinar direito.
Toca aqui (high-five) - ela adora

4. No começo, adorava uma boa brincadeira. Sua energia parecia não acabar nunca. Agora, adora um bom sofá. Mas não dispensa os passeios: está sempre a postos quando digo a palavra "passear" ou "sapatinho".

5. Nunca foi muito de comer, mas come melhor quando trabalha pra comer. Então, adestramento nela e petiscos pellets de ração (além dos petiscos normais).
Suzie no seu aniversário de 4 anos

6. Parece a mãe dela: é louca por cachorros.

7. Adora dormir em baixo de um cobertor ou edredon, não importa se estiver 5 ou 35 graus. E até hoje não sei como não sufoca. E dorme nas posições mais malucas do mundo, que não sei como consegue dormir daquele jeito e ainda acordar super bem, sem dor nenhuma.
Suzie sem cabeça (alguém aí achou a cabeça da Suzie?)
Dormindo debaixo do edredon com o papai

8. Para ela não importa se saímos e ficamos fora 10 segundos ou 10 horas: a alegria de nos receber é a mesma (e já quebrou o rabo duas vezes por conta disso).

9. Confesso que gosto de ir em lugares em que ela possa ir junto. Nos outros... vou protelando. Pra mim, ela é membro da família, e não só um cachorro.

10. Adora sua maninha Letícia, principalmente quando ela resolve dividir seus lanches com ela (iogurte, bolo, pão, frutas...).
Suzie e sua maninha, Letícia - melhores amigas

11. Meio cabeçuda de vez em quando. Mas, quem não é?

12. É a Whippet mágica: tem horas que ela parece um cachorro grandão, outras horas parece um cachorro nanico; algumas vezes tem cara de filhote, outras tem cara de velha.

13. Quando dá os 5 minutos na Suzie, sai da frente: ela corre, pula, gira, senta, deita, corre, pula, gira, senta, deita... até se cansar (da última vez, caiu).
Run, Suzie, run!! - neste lugar ela adora correr!

14. Consegue amolecer o coração de quem tem medo de cachorro, de quem não gosta de cachorro e até de dono de hotel que só aceita cachorro minúsculo. Quem manda ser carismática, bem educada, não latir e não ter cheiro? Por isso tá sempre com a gente, em qualquer lugar que vamos. Até em lanchonete já entrou, lanchou, ficou sentadinha e quase ninguém percebeu que tinha uma megrelinha peluda no lugar.
Também, quem consegue resistir?? Eu mesma não consegui, e não consigo até hoje...

15. Ela sabe das coisas melhor que eu: nunca se esquece de escovar os dentes antes de dormir, que tá na hora de comer, de brincar, de passear, de dormir. Com seu olhar ela consegue se comunicar comigo perfeitamente. Estamos sempre em sintonia.

Nem preciso dizer que eu AMO essa menina... é a cachorrinha que eu sempre sonhei em ter. Só sinto falta dela ser um bocado mais ativa, mais brincalhona mas... acho que é mal de Whippet adulto mesmo.

Atendendo a pedidos: Su e Lê brincando

video
A Dé tinha pedido pra eu colocar o vídeo e consegui um menorzinho. A imagem não tá lá essas coisas, foi deita de noite (a Lê de pijama, "pronta" pra ir dormir). Só pra constar: a Suzie não estava tentando montar na Lê, estava mesmo cutucando ela com o nariz pra fazer cócegas, e a Lê morria de rir, claro.

Divirtam-se.

Guia 4 rodas viagens com seu cão

Eu sou uma fuçadeira de blogs e, ontem, lendo um blog muito interessante, mas nada a ver com Galgos (e sim com agility), descobri que tem o guia 4 rodas viagens com seu cão para download gratuito (aqui).

Já baixei o meu e, gente, tem muitas dicas interessantíssimas, vários hotéis que aceitam cães (alguns, não tem todos não, tá), veterinários nas cidades, restaurantes e bares que aceitam cães, trilhas e muitas dicas super bacanas.

Gente, vale a pena baixar e ter este guia. Sinceramente, desta vez não daria mesmo pra viajar com a Suzie: vôo com conexão não é mole, e, como disse no texto, a viagem perderia totalmente a graça se a caixa de transporte não chegasse no lugar de destino =( Melhor mesmo ela no hotel, onde é bem tratada, do que num avião, sozinha, por mais de 6h e, depois, chegar num lugar que nem poderia ficar solta... não dá.
Suzie em Campos do Jordão

Depressão em Cães

Amigos, já faz um tempinho que ando pesquisando esse tema, pra ser mais precisa, desde que tiramos a Linda (a whippet que apanhava dos donos) daquela casa horrível. Ela se mostrou muito assustada e medrosa (o que já era de se esperar), porém o que mais me preocupava não era isso e sim o fato dela se mostrar um tanto indiferente, quase nada chamava a sua atenção, nenhum brinquedinho, comidinhas, sacola de mercado com comida dentro (que eles adoram..rss), nada a interessava. Levei de tudo para tentar animá-la, bolinhas, brinquedinhos, inclusive os do Zé que já tem aquele cheirinho especial, ossinhos, bifinhos,  ela nem ligava. Percebi que as agressões físicas a marcaram profundamente, mas seus machucados externos não eram nada perto das suas feridas internas, bem mais difíceis de cicatrizar.

A depressão já não é facilmente diagnóstica nos humanos, quem diria nos nossos amigos caninos.
Se no caso de um humano, há quem diga que depressão é frescura ou um meio de chamar a atenção, imaginem quando se trata de um cão?

Todos os mamíferos podem sofrer de depressão, mas são os cães os mais acometidos por este mal.  Cães de companhia, mais dependentes e apegados a nós, nossos fiéis e verdadeiros amigos sofrem, muitas vezes, por nos amarem demais.

Infelizmente, a depressão em cães, uma doença muito grave que pode levar à morte, é muito mais comum do que se pensa, a verdade é que a correria e vida agitada dos donos gera um grande número de cães depressivos.

Se engana quem pensa que o cão precisa sofrer muito para se deprimir, a menor troca de atitude do dono pode desencadear uma forte depressão, os cães têm sentimentos, eles sentem ciúmes, rejeição e solidão.

São inúmeros os fatores que podem gerar uma depressão, veja abaixo:
• falta de atenção e companhia do dono;
• falta de passeios e atividades físicas;
• confinamento em ambientes pequenos;
• perda de liberdade;
• solidão e/ou abandono;
• falecimento (do dono, de algum membro da família ou de um companheiro pet);
• viagem longa do dono;
• viagem longa com o dono, ou seja, saudades da casa ou falta de atenção, afinal durante a viagem de férias, o cão acaba ficando de escanteio. Não basta levar o cão, é preciso incluí-lo no roteiro de diversão;
•idas frequentes ao pet shop;
•estadia em pet hotel
• mudanças súbitas de rotina, mesmo que uma mudança simples;
• separação de casal;
• mudança de residência;
• a chegada de um bebê;
• a chegada de outro animal de estimação;
• um namorado novo;
• hóspedes na casa por um tempo prolongado;
• reforma na casa;
• redistribuição nos móveis da casa;
• hierarquia mal estabelecida - você deve ser o líder, sempre. Se o seu cão achar que ele é o líder e você o submisso, ele se sentirá rebaixado sempre que você sair, “que líder sou eu que não tenho controle sobre o meu submisso, como que ele sai sem a minha permissão?”, ele deve pensar..rs. Um líder frustrado é um forte candidato à depressão.

Atenção: Cães idosos são ainda mais suscetíveis à depressão, é preciso ficar atento e evitar mudanças na rotina do cão, poupando seu estado emocional.

Os sintomas são muitos, diferem em intensidade e podem se manifestar de forma diferente em cada cão, os mais comuns são:
• mudança brusca de comportamento;
• desânimo;
• falta de apetite;
• isolamento social;
• inquietação;
• tristeza;
• baixa interatividade e resposta a estímulos, não demonstrando interesse por atividades antes motivadoras, como passear, brincar ou até receber carinho;
• intolerância ao toque físico;
• inabilidade em executar funções biológicas;
• alterações comportamentais com atos repetitivos como lamber insistentemente as patas ou até mesmo o chão, correr atrás do próprio rabo;
• auto-mutilação, lamber excessivamente e/ou morder as patas ou a cauda.

Caso note alguns desses sintomas, e se eles se prolongam por vários dias, a melhor coisa a fazer é consultar um veterinário, sem acompanhamento a depressão poderá resultar em óbito.

Descobrir a causa do problema é o primeiro passo para a cura. A depressão, algumas vezes, é tratada simplesmente corrigindo alguns hábitos do dono e/ou do cão.

Procure responder as questões abaixo, elas o ajudarão a identificar o agente causador:
• Desde quando ele está assim?
• O que mudou na rotina da casa nesse período?
• O que de ruim aconteceu nesse período?
• O que de bom aconteceu? (O que é bom pra você, às vezes não é para ele)
• Eu estou me dedicando a ele como antes?
• Ele já apresentou esse comportamento antes?

Identificada a causa, o tratamento poderá incluir remédios homeopatas, florais de Bach (que agem rapidamente e não tem contra-indicações), medicamentos antidepressivos (essenciais nos casos de auto-mutilação), além de mudanças no manejo.

Melhorar a qualidade de vida do cão é importante para o sucesso do tratamento:
• passeios diário e brincadeiras freqüentes animam o cão, aumentam a adrenalina e liberam endorfinas, promovendo sentimentos positivos;
• não deixe seu cão sozinho por períodos muito longos;
• reserve diariamente um momento só para ele, você poderá acariciá-lo, escová-lo, conversar com ele, brincar, interagir de alguma forma, nossos amados cães precisam de carinho e contato direito com aquele que mais ama na vida;
• carinhos e afagos na barriga fazem milagres;
• ossos artificiais, vendidos em pet shop auxiliam na distração;
• espalhe brinquedos pela casa;
• mantenha-o livre em casa, não o confine em um cômodo apenas e jamais mantenha-o preso em coleiras.
• ofereça alimento de qualidade
• leve-o ao veterinário regularmente
• se você tiver que viajar sem ele, é importante deixá-lo com alguém de confiança, que ele conheça e que inclusive já esteja familiarizado com a casa dessa pessoa. O ideal seria levá-lo a casa dessa pessoa várias vezes antes da viagem;
• ao deixar em hotel certifique-se de que o local oferece atividades diversas para que o cão não se sinta deprimido ou sozinho. Ele deve ter contato com outros cães, brincar e correr;
• e por fim, não se esqueça do principal, ofereça muito amor e carinho ao seu cão. Sem o amor do dono nenhum cão consegue ser feliz.
Caso o seu galgo precise de uma força para deixar a tristeza de lado, você pode procurar o seu próprio veterinário ou um profissional especializado em comportamento animal.
Em São Paulo:
  • Alexandre Rossi - Cão Cidadão
    11 3571.8138, 11 7814.2633 ou pelo e-mail faleconosco@caocidadao.com.br
    A consulta dura até 1 hora e 30 minutos, com mais dois acompanhamentos por telefone de 30 minutos cada. Geralmente, é feita na casa da família para avaliar o comportamento do animal no ambiente em que ele vive e sua forma de se relacionar com as pessoas. Após essa avaliação, é criada uma estratégia para solucionar o problema. A maioria dos casos é resolvida com mudanças comportamentais. O treinamento do animal já começa a ser feito pelo especialista na própria consulta.
    Existem duas opções:
    Consulta Comportamental com Alexandre Rossi = R$800,00
    Consulta Comportamental com um profissional da Equipe Cão Cidadão = R$200,00

    A Cão Cidadão também oferece consultas por telefone para clientes que residem fora de São Paulo ou fora da nossa área de atendimento. Neste caso, o proprietário deverá transmitir um relatório detalhado sobre o comportamento do animal e sua relação com as pessoas da casa. É importante seguir disciplinadamente as orientações.
  • Sara Favinha-Tudo de Cão
    sara@tudodecao.com.br
    Em breve colocarei mais informações sobre o trabalho deles, telefone para contato, média de preços e etc.

    Amigos, antes de finalizarmos gostaria de pedir indicações de veterinários ou especialistas em comportamento animal. Queremos indicações de profissionais em qualquer região do Brasil.
    Acrescentarei nesse mesmo texto, os profissionais indicados.

    Valeu, galera.
    Zezinho manda beijocas para todos vocês!
Leia também: Lidando com a depressão

A Importância das Caminhadas

Vou fazer uma série nova: A importância da... Vamos começar com a importância das caminhadas.

O que acontece quando pegamos a guia? Provavelmente o cão mal pode esperar e fica doidinho, de tão excitado. Passear com o cão é muito importante: pra ele e pra você. Não é apenas fazer as necessidades na rua e dar uma voltinha no quarteirão pra “sair de casa”. Os cães também precisam de interação social e estímulo mental, além da brisa suave batendo no focinho (e trazendo cheiros deliciosos) e do exercício.

Benefícios dos passeios diários

Passear diariamente com o cão dá a ele a oportunidade de passar um tempo com você, fazendo, juntos, uma atividade que ele adora. O estímulo mental ele consegue cheirando, olhando e ouvindo o que se passa no caminho: isso é tão importante quanto o exercício físico em si. O passeio é uma excelente oportunidade para praticar a obediência e reforçar o ele que une você ao seu cão. Quando vocês encontram outro cão ou pessoa, isso dá ao seu cão a oportunidade de praticar habilidades sociais.

Suzie passeando com a mamãe

Passear é o melhor exercício para cães de qualquer idade e estilo de vida. Mesmo cães que vivam em casas com quintais imensos precisam caminhar, afinal, não é porque vivem em uma casa com quintal que eles se exercitam e tem os estímulos necessários para ter qualidade de vida. Cães que vivem em apartamento devem sair, sempre que possível, cerca de quatro vezes por dia e cães que vivem em casas com quintal pequeno, de duas a três vezes ao dia. Vinte minutos (ou mais – pra mim, 30 minutos é o mínimo aceitável) é um tempo bom, mas, quanto mais, melhor.

Após as refeições os cães estão mais inclinados a fazer suas necessidades: levá-los nessa hora para uma caminhada rápida, só pra se aliviar, é uma boa pedida (exercícios mesmo devem ser feitos ANTES do cão comer. Não é bom se exercitar com a barriga cheia). Mas, isso só funciona se o cão tiver horários para comer; cães que tem comida à disposição são uma verdadeira incógnita quando se trata de hábitos sanitários.

Guias e sacolinhas

Os cães devem sempre andar com coleira e guia, pra segurança deles, de outros cães e de outras pessoas. Andar na guia é a maneira mais segura de se caminhar com seu cão; mesmo o cão mais bem treinado pode se distrair e atravessar a rua... Caminhar com a guia também evita que seu cão entre nas casas de outros cães e, possivelmente, deixar as pessoas que lá moram bem chateadas com a invasão. Deixar os cães soltos, só em áreas devidamente cercadas e com cães sociáveis. Não importa local que você e seu cão passeiam, nunca se esqueça das sacolinhas plásticas para recolher as fezes dele. Se você pretende passear por bastante tempo, leve tambem água para seu cão.

Benefícios dos passeios diários para ter um cão educado

Adestradores, proprietários e veterinários concordam que os cães devem fazer caminhadas diárias. A razão para isso nem sempre é bem explicada. Mas a verdade é que caminhar com o cão é saudável – proporciona exercício para dono e cão – mas os benefícios vão além do aumento da capacidade cardio-respitarória.

Como caminhar com o cão

Muitas pessoas não andam corretamente com o cão. É muito mais comum vermos o cão levando o dono para passear, puxando-o em todas as direções, indo de um lado para o outro, e o dono sendo praticamente arrastado de um lado pro outro. Alguns donos dizem que os cães parecem gostar de puxar, mesmo sendo praticamente enforcados a caminhada inteira.

A melhor maneira de caminhar com o cão é ele ao lado do dono, com a guia frouxa (saiba mais sobre este treino aqui). Para isso é preciso prática, consistência e paciência para ensiná-lo a andar com a guia frouxa. Não há dúvidas que os benefícios são enormes.

Benefícios da caminhada diária

Os cães tem um instinto migratório e a caminhada diária ajuda a satisfazê-lo. Ao mesmo tempo, o exercício de levar o cão para andar com a guia frouxa reforça as boas maneiras. Ser o “líder” da matilha não é dominar o cão, mas sim ter um cão que ouve o dono e se comporta apropriadamente em diversas situações.

As caminhadas diárias devem ser ajustadas de acordo com as necessidades de cada cão. Um cão com alta energia, como o Border Collie, deve caminhar por períodos mais longos que raças pequenas, como o Yorkshire Terrier. Por exemplo: andar uma hora com um Border Collie ajuda a gastar energia, enquanto um passeio de meia hora pode ser mais que suficiente para um Yorkie.

Ferramentas para educar

Existem várias delas à disposição. Cada uma trabalha de um modo diferente, mas com o mesmo objetivo. Vão desde guias de exposição, que ficam na parte mais alta do pescoço, atrás das orelhas; passando pelos famosos enforcadores; até a Gentle Leader e a Easy Walk. Eu, particularmente, prefiro métodos que não machuquem o cão e não uso enforcador na Suzie (uso o meio-enforcador, mas usei a GL no começo, para ensiná-la a andar tranquila na guia – hoje estou descobrindo a Easy Walk).

O melhor, para escolher a ferramente ideal, é procurar um adestrador ou comportamentalista que não faça uso de punições (se for alguém que treine com cliker, melhor ainda!).

Cão cansado é cão comportado!

Caminhadas, exercícios, juntamente com enriquecimento, uma boa dieta e adestramento positivo: são todos fatores importantes em ter um cão bem comportado. Mas, estamos falando dos passeios agora. E eles são, sim, importantes! Com eles, seu cão vê o mundo lá fora, você pode ensinã-lo boas maneiras, permitir que ele encontre outras pessoas, cães e animais para se socializar e mantê-lo socializado (na verdade, nunca terminamos de socializar nossos cães). Além dos passeios, existem outras maneiras de se exercitar com o cão, dentro ou fora de casa:

  • andar de bicicleta (existem equipamentos próprios para se andar de bicicleta com segurança com seu cão ao lado) ou correr com o cão (mas nunca com filhotes e antes de começar, converse com o médico veterinário);

  • fazer trilhas;

  • seguir odores (duas vezes de 30 minutos ou três vezes de 20 minutos todo dia);

  • nadar;

  • brincar com outros cães;

  • brincar com os donos.

Mas, antes de exercitar seu cão, não se esqueça da idade e raça do seu cão e das condições climáticas (temperatura e umidade (não dá pra correr com um Husky Siberiano às 11 da manhã num calor de 35 graus!).

Quanto mais exercícios proporcionamos aos nossos cães, melhor. A maioria dos adultos jovens precisam de pelo menos uma hora diária de exercícios, algumas raças precisando mais que outras. Cães pastores e de caça, até os dois anos, precisam de horas de atividades diárias para se tornarem companheiros comportados e felizes, mas nem tudo precisa ser de exercício físico.

Outra forma de exercitar os cães, mas muito pouco explorada pelas pessoas, são os exercícios e estímulos mentais. Ensine ao cão truques e coloque a comida do cão em brinquedos próprios para isso (como o Kong ou uma garrafa pet com alguns buracos – feita em casa mesmo) ao invés de oferecê-la sempre no potinho de comida. Assim, as refeições manterão o cão ocupado por cerca de 30 minutos a 1 hora, ao invés de 5 segundos.

Cães não se entretem sozinhos. Se você solta seu cão no quintal, ele não se exercitará sozinho (a menos que tenha(m) outro(s) cão(es) para brincar). O mais provável é que, isolado no quintal, ele lata de tédio, tente escapar ou resolva fazer jardinagem. Sempre supervisione o cão quando estiver no quintal e, se ele fica lá enquanto você trabalha, canse-o antes de sair para trabalhar e deixe à disposição brinquedos que o estimulem mentalmente, brinquedos para roer e esconda petiscos. Assim ele ficará entretido por bastante tempo e até tirará uns cochilos de vez em quando. Se você fica 10 horas fora de casa, e não conseguir tempo no almoço para voltar e dar um passeio e atenção ao seu cão, pense em contratar um passeador responsável (existem empresas especializadas neste serviço, não saiam contratando qualquer um que se proponha a levar seu cão pra passear – essa pessoa, por mais bem intencionada, pode pensar em somente ir até a esquina e voltar, não satisfazendo as necessidades do cão) e/ou, alguns dias na semana, colocá-lo em uma creche canina. Quando eu trabalhava fora, tinha horários bem flexíveis e a Suzie passava 6h sozinha, mas não direto, divida em 2x (3h de manhã e 3h à tarde). E eu sempre a cansava antes de ir trabalhar e também quando chegava.

Caminhadas diárias devem fazer parte da rotina diária

Não é incomum que muitas pessoas decidam comprar uma casa com quintal grande para deixar os cães felizes. Estes donos estão tentando dar o melhor para seus cães: ao dar-lhes bastante espaço, acreditam que estão fazendo um favor ao cão, já que ele poderá correr pelo quintal todos os dias, sempre feliz.

Na verdade, um grande quintal é uma excelente oportunidade para os cães explorarem e brincarem soltos, mas o erro está em achar que pode-se trocar as caminhadas diárias por um quintal. Então, estes donos bem intencionados, deixam o cão no quintal, o alimentam e nunca só saem com o cão quando chega a hora de ir ao veterinário. Ao fazer isso, os donos perdem uma excelente oportunidade de educar os cães através dos passeios.

O que caminhar significa para os cães

Para os cães, caminhar é instintivo. Na natureza (nem precisamos ir tão longe: vejamos os cães de rua e cães que vivem com mendigos, catadores de lixo...), os cães andam muito todos os dias, procurando alimento. Essas andanças podem durar até 10 horas. Bastante, comparado com a mera 1 hora de passeio diário que a maioria dos cães tem hoje em dia.

Observando lobos andando pelo território em busca de presas, nota-se que a matilha possui um líder, que é responsável por tomar decisões, como para onde ir e o que fazer e, então, a matilha segue o líder. A matilha está sempre atenta ao líder e o seguem sem tentar ir à frente dele e nem parando para cheirar tudo no caminho: todos os lobos andam juntos, com o líder sempre na frente e alerta.

Na vida doméstica, nós deveríamos fazer o papel do lobo líder: assim, o cão estará sempre atento em nós, sem puxar a guia e sem ficar parando toda hora (mas faça pausas durante o passeio pro seu cão cheirar: parando em praças ou em jardins que, com certeza,estarão cheios de cheiros interessantes).

Mas, calma lá: não é pra agirmos como lobos e ficarmos rosnando, mordendo e dando patadas nos nossos cães! Existem muitas maneiras de conseguirmos que nossos cães prestem atenção na gente, e fazer o cão ter medo de nós não leva a nada. Aliás, violência gera violência: devemos tratar nossos cães com respeito e paciência, como gostamos de ser tratados. Métodos positivos ao ensinar seus cães, hein?!

O ritual da caminhada

Na natureza, lobos e cães selvagens andam pela manhã e no fim da tarde, quando caçam e, depois, lógico, comem. Em casa podemos repetir este ritual de caminhar e depois comer. Exemplo e algumas dicas:

  1. Eu chamo a Suzie e peço pra ela sentar. Coloco a coleira e a guia (e, em alguns casos, a mochila de exercícios – depois falo sobre ela). Suzie mochileira

    Muitos dizem que o cão não deve estar excitado quando colocamos a coleira nele mas... risos. Só que a Suzie SEMPRE se acalma quando coloco a coleira nela. É como se ela ficasse atenta que vai andar comigo, e não me puxar.

  2. Agora uma questão controversa: passar pela porta antes do cão. Muitos dizem que devemos fazer isso pois, se permitirmos que o cão passe em nossa frente ele nos liderará. Bom... existem muitos treinadores com clicker que dizem que não tem nada a ver. Quem são estas pessoas? Melissa Alexander e Pat Miller. Sinceramente, existem outras maneiras de o cão nos respeitar... Algumas vezes pra mim é mais fácil a Suzie sair na minha frente; em outras eu saio na frente dela. E estamos bem, obrigada.

  3. Na rua, o cão deve caminhar ao lado do dono ou ligeiramente atrás dele. Suzie anda assim comigo, digamos 95% do tempo ou mais. Depende da quantidade de moscas e pombos que encontramos no caminho... risos. Se ela começa a me puxar, vou andando de marcha a ré até ela perceber que puxar não leva a nada. Mas, o treino de andar com a guia frouxa vou fazer pra sempre... ela é muito atenta: tanto em mim quanto com as coisas ao redor (por mais que eu não ache ela atenta comigo, um treinador de agility comentou o quanto ela é atenta em mim, que ela daria uma bela agiliteira. Será?!)

  4. Mais uma controversa: dono comer primeiro. A gente come todo mundo junto ou, então, a Suzie chega e já come. Ah, faça-me o favor, existem outras maneiras... O que eu faço que dá super certo: ela precisa trabalhar pra comer. Sim. Ela não chega e já recebe a comida no pote e pronto, vai comer. Nããããooo... ela sente, deita, rola, dá a pata, faz wave, targeting, dá beijos, faz alguns truques, dá uns passos de dança e, aí sim come: ma parte no pote, outra parte num brinquedo que solte a ração se ela o ficar rodando pela casa. Muita gente (mas muita mesmo, praticamente todo mundo que conheço) diz que eu judio dela. Ué... mas a gente não trabalha pra comer tb? Ou a comida aparece na nossa porta? E a Suzie simplesmente ama estes momentos comigo. São momentos só nossos (tá, a Lê participa). E outra: não damos comida pra ela na mesa.

Cães nasceram para caminhar: privá-los das caminhadas diárias é privá-los de uma função importante na vida deles. Ande com seu cão todos os dias, ele será grato por isso. Além de tudo, é uma ótima maneira de estreitarmos nosso relacionamento.

Fontes: http://dog-training.suite101.com/article.cfm/the_importance_of_walking_your_dog

http://www.mchumane.org/theimportanaceofwalkingyourdog.shtml

http://dog-care.suite101.com/article.cfm/the_importance_of_walking_your_dog

http://petdoc.com/story/the-importance-walking-your-dog


Vida longa aos galgos

Conforme pesquisas a vida média de um cão está relacionada a raça. Mas sabemos que o estilo de vida e os cuidados recebidos pelo seu dono, influenciam e muito nessa questão.

Alimentação adequada, vacinação preventiva, vermifugação, higiene, exercícios físicos regulares e lógico atenção e muito amor favorecem, de modo considerável, a expectativa de vida dos nossos amados cães.

A veterinária Dondi Dahlgaard, diz em seu livro DogAge que o meio mais eficiente para retardar o envelhecimento do cão é controlando o seu peso, mantendo o cão magro e com a cintura sempre aparente. Esse é o segredo principal, ela diz.
Uau! Ponto para os galgos, mas será que eles realmente se beneficiam pelo fato de serem naturalmente esbeltos?

Parece que sim, Veja a notícia a noticia abaixo:
De acordo com uma pesquisa feita por uma seguradora no Reino Unido, os whippets estão em 3º lugar no quesito longevidade. Perdendo e por muito pouco (quase empatando..rs) para o Poodle Miniatura, Dachshund Miniatura e Poodle Toy
Veja o resultado da pesquisa:

Poodle Miniatura → 14,8 anos
Dachshund Miniatura → 14,4 anos
Poodle Toy → 14,4 anos
Whippet → 14,3 anos
Bedlington Terrier → 14,3 anos
Terrier do Tibet → 14,3 anos
Border Terrier → 13,8 anos
Jack Russel Terrier → 13,6 anos
Chow Chow → 13,5 anos
Shih Tzu → 13,4 anos
Beagle → 13,3 anos
Pastor de Shetland → 13,3 anos
Pequinês → 13,3 anos
Cairn Terrier → 13,2 anos
Greyhound → 13,2 anos
SRD (vira-lata) → 13,2 anos
Springer Spaniel → 13 anos
Border Collie → 13 anos
Chihuahua → 13 anos
Dálmata → 13 anos
Bullterrier → 13 anos
Collie → 13 anos
Fox Terrier Pêlo Duro → 13 anos
Basset Hound → 12,8 anos
Yorkshire Terrier → 12,8 anos
Labrador → 12,6 anos
Cocker Spaniel Inglês → 12,5 anos
Viszla → 12,5 anos
Pointer Alemão → 12,3 anos
Bearded Collie → 12,3 anos
Poodle Standard → 12 anos
Affenpinscher → 12 anos
Golden Retriever → 12 anos
Scottish Terrier → 12 anos
Old English Sheepdog → 11,8 anos
Setter Irlandês → 11,8 anos
Setter Gordon → 11,3 anos
Airedale → 11,3 anos
Setter Inglês → 11,2 anos
Samoieda → 11,2 anos
Boxer → 10,4 anos
Pastor Alemão → 10,3 anos
Norfolk Terrier → 10,1 anos
Weimaraner → 10 anos
Dobermann → 9,8 anos
Rottweiler → 9,8 anos
Flatcoat Retriever → 9,5 anos
Rhodesian Ridgeback → 9,1 anos
Bullmastiff → 8,6 anos
Dogue Alemão → 8,4 anos
Irish Wolfhound → 6,2 anos (galgo também, considerado o cão mais alto de todos)


É lógico que essa é uma boa notícia, mas eu espero que com o carinho e cuidado que oferecemos aos nossos cães todos eles, independente da raça vivam ainda mais.
Você tem um galgo com mais de 10 anos? Me mande uma foto dele para o email contato@confrariadosgalgos.com.br

Segredos do Pedigree

Meus amigos Confrades, o vídeo em anexo é longo, mas para nós que amamos nossos magrelos e amamos os cães é elucidativo e tocante.
Tenho em Salvador, morando com minha mãe uma Sharpei que é uma das poucas que eu conheci com 9 anos de idade. Esse é um cão que sofreu muito por conta do cruzamento co-sanguineo.
Aqueles que não puderem ver no todo, vejam em parte e divulguem.
Luca, Bamboo&Phusilli



Fonte: viddler.com

Especial : FILHOTES

Amigos, esse especial sobre Filhotes surgiu a pedido da nossa amiga Mila, de Salvador, então será dedicado a todos os filhotinhos, em especial à Fiona (filhota da Mila), uma Italian Greyhound muito linda e amada.

O texto ficou imenso, isso significa que o trabalho e cuidados que os filhotes exigem não são poucos.
Apesar de bem recheado, sei que ainda falta muita coisa, se alguém se lembrar de algo importante, se tiver alguma dica especial para filhotes, me envie que eu acrescento no texto, ok?

Boa leitura à todos.




Especial: FILHOTES

Parecem pitbullzinhos, mas são filhotes de whippet,
os filhos do Zé no dia em que nasceram.

Para nós que amamos esses magrelos (ou gorduchos também, é claro), a chegada do filhote é um momento marcante e inesquecível, na maioria das vezes esse momento foi aguardado com grande ansiedade e por muito tempo. Eu aguardei uns 4 anos para ter o meu Zezinhoe valeu a pena esperar..rs.

Mas devo lembrar que nem tudo é festa. Junto com toda a alegria, recebemos também uma lista de deveres e obrigações, iremos lidar com verdadeiras crianças que necessitam de atenção constante e muitos cuidados com alimentação, saúde, higiene, segurança e etc.

Como estão em fase de desenvolvimento, nossos amados magrelos que são muito inteligentes por sinal, aprendem tuuudo com imensa facilidade. Tudo o que for errado eles aprendem sozinhos, mas o correto, algumas vezes, nós temos que ensinar..rs Essa é a hora certa de acostumarmos nossos bebês caninos com banhos, limpezas dentárias, limpezas de ouvidos e muito mais.

Mas antes de cuidar dele, você precisa preparar a sua casa para recebê-lo e fazer o enxovalzinho do bebezão.

ENXOVAL


Caminha bem macia;
Cobertor ou manta (eles sentem muito frio e os galguinhos ainda mais) ;
Comedouro ;
Bebedouro ;
Coleira ;
Guia ;
Brinquedinhos ;
Plaquinha de Identificação ;
Luva para escovação do pêlo;
Escova dental ;
Creme dental ;
Jornal (acumule com antecedência, vc vai usar bastante)

    Faltou alguma coisa? Avisem, caso lembrem de algo, ok?

    ADAPTAÇÃO NA NOVA CASA
    Embora na maioria das vezes os filhotes não demonstrem, creio que essa fase não deve ser tão simples para eles, afinal já estavam acostumados com toda uma rotina, com a companhia de sua mãe e irmãos e de repente ele perde tudo isso e para piorar vai para um lugar totalmente desconhecido e com pessoas estranhas. Por isso é importante facilitar e até mesmo imitar alguns hábitos adotados na antiga casa, se puder traga junto com ele um paninho com o cheirinho dos irmãos e da mãe.

    Prepare-se para recebê-lo, prepare a sua casa, casa que também será dele, onde, provavelmente, ele viverá toda a sua vida. Defina o cantinho do bebê, ele deve ter acesso a casa toda, mas é imprescindível que ele tenha um cantinho só dele, com sua caminha e seus paninhos.. é para lá que ele irá quando quiser descansar. Às vezes esse cantinho dele, é um canto no seu sofá, que eles amam ou até mesmo na sua cama, tudo bem.. é ótimo compartilhar nosso espaço com eles. Se você se preocupa com os pêlos, use uma capa no sofá e uma roupinha fina no filhote, dessa forma você quase não verá pêlos pela casa.

    Nesse frio (e no verão também) é uma delícia dividir a cama com eles, mas se você não permitir que ele durma com você, coloque uma bolsa de água morna na caminha dele e mantenha-o coberto, ele sentirá o calor que sentia antes ao lado de sua mãe e irmãos. Outra sugestão é colocar um relógio mecânico, pois simula os batimentos cardíacos da mãe (nunca testei essas dicas, mas sãoo tão antigas e divulgadas que devem ajudar)

    Em caso de choro, tenha calma, ele está sentindo falta da família, em alguns dias se acostumará com sua nova casa.
    Até o quinto mês de vida, os filhotes em geral dormem mais do que o normal, deixe-o dormir , evite incomodá-lo. No caso dos whippets, eles dormem mais do que o normal para sempre, não apenas até o quinto mês.. não estranhe..rs

    Coloque folhas de jornal num local específico para o filhote se habituar a fazer as necessidades sempre no mesmo lugar. Lembre-se que os filhotinhos fazem xixi toda hora, facilite a vida dele, se for preciso coloque jornais em vários cômodos da casa e a medida que ele for aprendendo a se controlar você vai eliminando e restringindo o jornal apenas ao 'banheiro' dele.

    ALIMENTAÇÃO

    Nem vou entrar na questão sobre alimentação caseira ou industrializada, hoje em dia sou bem favorável à alimentação caseira desde que bem balanceada, feita especificamente para o cão (nada de dar sobras, ok?) e com acompanhamento do veterinário, mas é um assunto muito complexo para se abordar aqui, e no caso específico dos filhotes é muito mais seguro a alimentação industrializada.

    Portanto é importante oferecer uma ração de qualidade super premium e específica para filhotes, cuja formulação leva em conta suas necessidades nutricionais e favorece uma excelente saúde e desempenho futuro
    De preferência mantenha a mesma marca oferecida pelo criador, mas se achar necessário a troca, faça-a gradualmente, devido ao stress da viagem e da mudança de casa ele está mais suscetível a um distúrbio intestinal.

    Até os 6 meses a alimentação deve ser oferecida em várias porções diárias, sempre observando horários regulares, mesmo comedouro e local.

    Os filhotes normalmente bebem bastante água, deixe água limpa, filtrada e fresca à disposição o dia todo, devendo ser trocada diariamente, e se possível várias vezes ao dia. Deixe a vasilha sempre no mesmo local e se puder coloque mais vasilhas pela casa, isso ajudará o filhotão a se lembrar de tomar água. A Fúlvia, postou a nota
    Quanto de água nossos cães precisam beber? leia também.

    A quantidade de alimento oferecida deve ser a informada na embalagem, convém conferir a quantidade correta numa balança de cozinha, às vezes pode parecer pouco, mas é exatamente o que ele precisa para crescer ativo e saudável.
    Quanto melhor a qualidade da ração, maior será o aproveitamento do cão e menor a quantidade necessária. Uma ração um pouco mais cara, normalmente dura mais. No caso de dúvidas, converse com o seu veterinário.

    Aproveite a hora da refeição do seu amiguinho para estreitar ainda mais os laços entre vocês. Ao oferecer a comida, ofereça junto carinho e amor. Converse com ele sempre que levar sua comidinha e faça um gostoso afago, a ração ficará ainda mais saborosa..rs.

    Alguns filhotes recusam a ração, mas insista, se você ceder e oferecer outro alimento, depois será ainda mais difícil de acostumá-lo com a ração. Misturar um pouco de ração úmida na ração seca engana bem, mas não é o ideal.

    Em geral, os filhotes tem bastante fome, mas muitas vezes, preferem brincar ao invés de comer. Pular uma refeição é normal, se ficar duas refeições sem comer e estiver ativo, observe com mais atenção, mas se ele recusar novamente a 3º refeição, leve-o ao veterinário, tem algo errado.

    O ideal é habituá-lo a comer no momento em que a ração for servida, evite deixar a ração exposta por mais de 30 minutos.

    Se precisar mudar de ração, siga a orientação da embalagem, faça essa mudança gradualmente, misturando um pouco da ração nova na antiga, aumente aos poucos a porção da nova ração.

    ATENÇÃO: Não adianta comprar uma ração de qualidade e não armazená-la corretamente. Leia o post Conservando os Nutrientes da Ração e saiba o que fazer para garantir que ração que você oferece ao seu cão seja nutritiva do primeiro ao último pellet/grão.

    VACINAÇÃO


    A vacinação é indispensável, não dá para abrir mão, tanto nos filhotes, quanto os reforços anuais nos adultos.

    Vacinando o seu cão, você o protege de inúmeras doenças gravíssimas e os filhotes só devem passear na rua após terem tomado todas as vacinas.

    Mas lembre-se, toda vez que vacinamos nosso cão, o adoecemos artificialmente para que o seu organismo responda com o aumento de células de defesa, podendo gerar problemas, por vezes perigosos. O que quero dizer é o seguinte..
    A vacinação deve ser feita apenas por Médicos Veterinários, eles sabem quais são as melhores vacinas, quais são realmente necessárias, sabem armazená-las corretamente e antes da aplicação fazem o exame clínico, certificando-se de que o animal está apto para receber a vacina.

    O cão deve ser vacinado a partir dos 45 dias, sendo feitas 3 doses de vacina polivalente (intervalo de 21 à 30 dias) e uma dose de vacina anti-rábica (120 dias).
    Após 1 ano da última dose da polivalente e da anti-rábica é indicado o reforço anual de ambas a cada ano, para o resto da vida, pois doenças como cinomose e leptospirose podem se manifestar em cães adultos.

    A múltipla V 10 protege contra Cinomose, Hepatite Infecciosa Canina, Adenovírus Canino Tipo 2, Coronavírus Canino, Parainfluenza Canina, Parvovírus Canino, Leptospira canicola, Leptospira icterohaemorrhagiae, Leptospira grippotyphosa e Leptospira pomona. Todos esses tipos virais são extremamente importantes para o animal, pois a grande maioria apresenta sinais severos, tratamento caro e muito vezes podem ser até fatais.

    A anti-rábica protege contra raiva

    A Tosse dos Canis previne contra doenças causadas pelo Adenovírus Canino tipo 2, pelo vírus da Parainfluenza Canina e pela Bordetella bronchiseptica.

    E a Giárdia previne contra Giardia lambia, atualmente disseminada por todo o mundo e reconhecida como zoonose (transmitida ao ser humano). O cão infecta-se facilmente ingerindo cistos de Giardia, que podem estar presentes na água, nos alimentos ou nos pêlos dos animais.
    A Giardíase (doença causada pela Giárdia) causa a síndrome da má-absorção/má-digestão, levando à desidratação, diarréia, perda de peso, dor abdominal e flatulência. Além disso, são sinais clínicos comuns da Giardíase a perda de apetite, vômitos e letargia.
    A vacinação de cães reduz significativamente a incidência, a severidade dos sintomas e a duração da eliminação de cistos e, conseqüentemente, o número de cistos eliminados



    ATENÇÃO: A VACINA CONTRA LEPTOSPIROSE REQUER REFORÇO SEMESTRAL
    Quando você vacina seu cão com a múltipla V10, ele só está protegido contra a Lepto nos primeiros 6 meses, depois disso ele está vulnerável. É preciso revacinar com a vacina isolada contra Lepto 6 meses após a v10, principalmente se você mora em casa térrea.
    O esquema é aplicar v10, 6 meses depois a lepto, depois de 6 meses a v10 novamente e por aí vai.. sempre intercalando a v10 com a lepto.

    BANHO

    Deve-se adiar ao máximo o 1º banho, mantenha-o cheirosinho limpando-o com uma misturinha de água morna e uma pequena quantidade de sabão neutro. Limpe-o suavemente com um paninho macio, sem encharcá-lo, mas mesmo assim seque-o com secador no final.

    Agora se o filhote estiver mesmo precisando de um bom banho, e se ele já foi devidamente imunizado com as 3 doses da V10, o banho pode ser dado, desde que se tome alguns cuidados.


    Dê o banho em casa, fuja de pet shops com seu filhote, principalmente antes da terceira dose da vacina;
    Aguarde um dia quente para banhar seu filhote e aproveite o horário mais quente do dia;
    Feche portas e janelas, fique longe das correntes de ar;
    Proteja os ouvidos do babie com algodão para não entrar água, evitando as otites;
    Use sempre água morna;
    Aproveite o banho para escovar os dentinhos do cão;
    Enxagüe bem, não deixe resíduo do sabonete ou shampoo;
    Seque bem, use toalha e finalize com o secador em temperatura média;
    Lembre-se: Antes de começar, separe tudo o que você irá precisar (shampoo ou sabonete, algodão para ouvido (deixe sempre mais algodão por perto, pois se bobear eles tiram e você terá que colocar outro), toalhas, escova e pasta de dentes para cães e secador), deixe tudo na mão, assim o magrelinho não ficará molhado e com frio esperando você achar a toalha.
    OUVIDOS

    É essencial limpar os ouvidos do seu cão semanalmente, se possível 2x por semana e após os banhos, evitando a famosa otite (inflamação dos condutos auditivos)

    Utilize produtos próprios para isso, existem diversos em pet shops ou então faça a limpeza com álcool 70%, o mesmo usado na assepsia de ferimentos. Eu prefiro o álcool, limpa melhor e é bem mais barato.

    Curei a otite do Zé esses dias, fiquei por um bom tempo usando um produto específico para cães e quando acabou, na correria optei por comprar o álcool 70% na farmácia. Coincidentemente ou não, a otite que eu tentava curar há meses com o produto pet, sumiu em menos de 10 dias com o álcool 70%.

    A otite é um problema comum, mas tem diversas causas associadas, vários problemas no organismo geram a otite, o que dificulta o tratamento. Em muitos casos não se consegue curá-la sem eliminar o fator causador.

    Os principais sintomas são: coceira nos ouvidos, agitação da cabeça, dor ao redor das orelhas, e a presença de secreção com mau cheiro nos ouvidos.
    Às vezes, quando a infecção ocorre de forma unilateral, ou seja, em apenas um dos ouvidos, o animal pode manter a cabeça inclinada para o lado inflamado. Umidade e pêlos nas orelhas podem predispor às otites.

    O Zé estava com otite bem leve e não demonstrava, não apresentava nenhum sintoma e mesmo assim foi difícil de curar. Eu só sabia por que encontrava sujeirinha todos os dias no ouvidinho dele. Faça o teste: Limpe o ouvido do seu cão e no dia seguinte limpe novamente, se tiver sujeira é provável que ele esteja com otite, leve-o ao veterinário que irá prescrever o remédio correto, conforme o grau da otite.
    O tratamento é tópico e utilizam-se pomadas terapêuticas e loções de limpeza. As otites externas são as mais comuns, porém quando não tratadas, podem evoluir para uma otite média e até interna, causando alterações e sintomas mais severos.

    O cão com otite pode sentir muita dor, é preciso tratar logo, mas o melhor é prevenir:

    Cuide da limpeza do canal auditivo do seu cão, limpe-o regularmente, 2x por semana;
    Durante o banho tome muito cuidado para evitar a entrada de água nos ouvidos, proteja os ouvidos com algodão;
    Animais que praticam natação devem ter as orelhas lavadas e bem secas após a prática;
    Só remova os pêlos se for necessário, caso o animal já tenha algum histórico de otite. Não é recomendável arrancar os pêlos como cuidado dos ouvidos, pois a irritação que este procedimento provoca, pode predispor a otite externa.
    DENTES

    O filhote trocará todos os dentes de leite pelos definitivos até os seis ou sete meses de idade.

    Nesse período de troca e até por mais tempo (provavelmente..rs) ele se comportará como um grande roedor, estará sempre procurando algo para morder. Ofereça a ele brinquedinhos de morder, embora muitos prefiram o pé da mesa, do sofá ou até mesmo daquele móvel antigo que você adora. Estimule-o com brinquedos, mas se prepare para alguns estragos em sua casa.. é normal, coisas de filhotes e adolescentes.

    Sobre a escovação, é importante habituá-los a escovação dentária, mesmo que o filhote ainda esteja com dentinhos de leite branquinhos. Problemas como tártaro são muito prejudiciais podendo causar até doenças do coração, o ideal é escovar os dentes do cão diariamente (no mínimo duas vezes por semana) com escova e creme dental especiais para animais.

    Em pet shops você encontra kits compostos por dedeira, creme dental e escova.. são excelentes.

    Os dentes de várias linhagens de galguinhos favorecem ainda mais o acúmulo de tártaro, atenção redobradada com seu Italian Greyhound.

    Os dentes da Grace (essa graça de whippet) são escovados desde quando ela chegou a sua casa. "Acostumei porque a cadelinha que tive anteriormente, nunca deixou que eu escovasse seus dentes, acarretando numa série de problemas dentários, um deles muito grave, onde a inflamação ultrapassou a pele da face, abaixo do olho, fazendo com que ela passasse por uma cirurgia de extração do dente doente e pontos.

    E a Grace escova até hoje, sem reclamar!!rsrs. E seus dentes estão sempre bonitos e fortes",
    se orgulha sua mamis, nossa Confrade Renata.


    Leia também Programa de Higiene Bucal, onde publicamos um programa divulgado pela DentalVet - Odontologia Veterinária que nos ensina a acostumar nosso cão a aceitar a escovação em 1 mês.

    ESCOVAÇÃO DO PÊLO

    Reserve um tempinho para escovar o seu cão, além de remover os pêlos, células mortas e sujeiras, você irá verificar a presença de pulgas e carrapatos. E além disso ainda é um momento extremamente prazeroso para o seu cão.. e pra você também, garanto.
    A escovação auxilia na saúde física e mental do cão, além de escovar, você cuida da higiene do seu melhor amigo, você ativa a circulação e faz uma massagem muito gostosa. Os nossos magrelos de pêlo curto podem ser escovados uma vez por semana, mas se puder mais vezes, até mesmo diariamente é melhor ainda.
    Escolha um local tranquilo, sem pressa, uma posição confortável para você e para o cão. Se tiver um solzinho, beleza. Converse com ele enquanto o escova, esse é um momento só de vocês e seu cão irá amar isso tudo. A escovação relaxa e acalma o cão e você.
    Pelagem bonita não requer banhos frequentes e sim escovações diárias, além (é óbvio) de uma alimentação balanceada, vacinação em dia e etc.
    VERMIFUGAÇÃO

    Muitos cães já nascem com vermes, transmitidos aos filhotes através da placenta da mãe, ou durante o aleitamento. É tudo muito fácil de tratar e de prevenir, mas é imprescindivel o acompanhamento do veterinario. Só ele poderá prescrever o vermífugo, a dosagem e quando administrar a 1º dose e as demais (em geral de 6 em seis meses ou até mesmo de 4 em 4 meses, dependendo do contato do cão com a rua). Essa questão é simples, basta seguir a orientação do veterinário que seu cão estará livre de muitas doenças.

    O cão pode se infectar ao ter contato com ovos ou larvas eliminados nas fezes de um outro animal contaminado.
    Fique atento.. fraqueza, vômito, diarréia, perda de peso, filamentos de sangue, muco ou estruturas semelhantes a sementes de melão nas fezes indicam a presença de parasitas. Não pense duas vezes, nesse caso procure o seu veterinário.

    Apesar de ser facilmente tratável, uma verminose não é algo banal, os vermes afetam a resistência do organismo deixando o cão debilitado, o que se torna um grande problema.

    Dirofilariose Canina (verme do coração)

    Lembre-se, ANTES de ir à praia, o seu cão deve ser medicado contra a dirofilariose.

    Alguns medicamentos para controle de pulgas e vermes possuem efeitos contra as larvas jovens da dirofilariose ou agem repelindo mosquitos. Estes medicamentos devem ser administrados mensalmente e prescritos pelo Médico Veterinário.

    A maioria dos cães infectados não apresenta sintomas até que a doença alcance um estágio avançado.
    A transmissão ocorre através de mosquitos transmissores, Os vermes chegam à artéria pulmonar e ao ventrículo direito do coração, gerando problemas cardíacos muitas vezes fatais, pois os vermes adultos medem de 15 a 30cm.

    Os sinais clínicos são tosse crônica, apatia, falta de resistência a exercícios, cansaço e perda de peso. Mas não se esqueça que a MAIORIA dos cães NÃO apresenta sintomatologia clínica.

    Então, se você frequenta com o seu cão ou reside em áreas litorâneas (ou próximas a represas, rios e lagos), é essencial um tratamento preventivo para o filhote com manutenção periódica. Se o seu cão já é adulto e nunca foi medicado preventivamente, converse com o seu veterinário, um cão aparentemente sadio pode estar infectado.

    ECTOPARASITAS (pulgas e carrapatos)
    Não tem jeito, contra pulgas a melhor arma é a prevenção, são os parasitas externos mais freqüentes. Estão em todos os lugares, no parque, na calçada, na praça, no canteiro e etc. Se o seu cão não estiver protegido, certamente voltará com pulgas do passeio, e basta ele trazer uma, “umazinha”, que você irá se arrepender por não ter optado pelo tratamento preventivo, que é bastante eficiente e mantêm nossos magrelos livres de coceiras, desconfortos, reações alérgicas e transmissão de vermes.
    Uma única pulga pode empestear a sua casa, principalmente os cantinhos ocupados pelos nossos amados. Por isso é importante “tratar” o cão e o ambiente.
    Inseticidas, vermífugos, dedetização periódica, sabonetes, shampoos, talcos, sprays, coleiras anti-pulgas, pipetas e medicamentos são aliados indispensáveis e permanentes na guerra contra as pulgas. Mas cuidado: Os galgos são alérgicos a uma série de produtos, com os filhotes o cuidado é ainda redobrado. NÃO coloque nenhum desses produtos no filhote sem consultar o veterinário.
    Eu uso no Zé a coleira Scalibor à base de Deltametrina que protege contra os mosquitos vetores da Leishmaniose e auxilia no controle de carrapatos e pulgas, eu simplesmente adoro essa coleira que age por 4 meses, mas embora ela não seja desaconselhável para os galgos (como a maioria das coleiras anti-pulgas) ela pode sim causar alguma reação, como aconteceu com a nosso whippet amiga Suzie.. isso vai de cão para cão. Sempre que se usa um produto inseticida no cão você deve ficar de olho e não é apenas na primeira aplicação. Já vi um whippet ter uma reação com o FrontLine que ele sempre usava.
    É preciso cuidado e monitoramente, observe o cão sempre que aplicar um anti-pulgas. Esses produtos são tóxicos, ou seja, veneno.
    Outra coisa: As coleiras são perigosas quando dois cães convivem juntos, pois um pode comer a coleira do outro.
    Uma dica para quem usa a Scalibur:
    A Jacque, dona da nossa amiga Phiorella, que me passou essa: Compre a coleira para cães de porte grande, você irá cortar e guardar a sobra (geralmente mais da metade) devidamente embalada e usar quando for necessário a troca, sem precisar comprar outra. Comprando uma única coleira você estará protegido por 6 meses.

    Vale lembrar que alguns produtos (como as coleiras) só matam as pulgas alojadas no animal, sendo que normalmente a maioria delas estão no ambiente. O combate às pulgas exige uma solução adequada, dependendo do grau de infestação, do tipo de ambiente, da raça do cão e do próprio animal que pode ser alérgico a algum produto.

    CARRAPATOS E PIOLHOS também são verdadeiras pragas e transmitem inúmeras e graves doenças. Felizmente a maioria dos produtos protegem contra pulgas, carrapatos, vermes e vários outros hóspedes indesejáveis. Pesquise bastante e não deixe de conversar com o seu veterinário, ele irá indicar o melhor produto para o seu cão.

    Amigos, ficou ainda mais claro a necessidade da escovação, mesmo nos nossos magrelos quase pelados. Escovando você se aproxima ainda mais do cão e faz uma bela inspeção.
    SEGURANÇA DO FILHOTE
    Devemos ter com os filhotes os mesmo cuidados que temos quando recebemos crianças em casa. Quem tem filho pequeno sabe que não pode deixar nada dando bobeira e que o mais simples objeto pode ser bastante perigoso. Evite acidentes:

    Retire do alcance do seu filhote objetos cortantes, pontiagudos ou produtos tóxicos. Retire todos os objetos com os quais ele possa se ferir ou até mesmo engolir;

    Mantenha a porta e o portão da rua fechados. Os galgos são a vida toda curiosos, mas os filhotes são extremamente xeretas. Uma porta aberta é um convite para um mundo cheio de novidades.

    Se o bebê tiver que ficar sozinho em casa, prepare o cantinho dele, certifique-se de que ele não corre nenhum perigo. Não deixe nada que ele não possa pegar à vista.. ele é capaz de escalar a sua estante para pegar seu celular.

    Cuidado com fios elétricos, eles adoram roer fios. Quando o Zé era criança eu desligava tudo da tomada quando tinha que sair, até a geladeira. Os fios eram uma verdadeira tentação para ele. Em casa eu me preveni bem, mas na rua vacilei.. certa vez o Zé levou um baita choque de uma árvore de natal na Rua da Consolação. Putz, foi terrível.

    Aliás o lance do choque me levou a outra dica de segurança, conduza sempre o cão (filhote ou não) na guia nos passeios na rua. Os galgos se assustam com extrema facilidade, é frequente o Zé tentar correr de uma simples folha trazida pelo vento. Nesse dia do choque, se ele não estivesse preso, teria corrido para a Rua da Consolação hiper movimentada, ou seja, coisa pior teria ocorrido.

    Cuidado com a alta velocidade. Veja o que diz nossa Confrade Renata: "A Grace quando filhote, descobriu um belo dia que corria com facilidade (mais que outros cães), corria muito! Pois bem. Como metida a espertinha que é, muito exibida, em uma praça onde tem aqueles parquinhos infantis, resolveu apostar uma corrida com um outro cãozinho. Final: não conseguiu parar, deu 03 cambalhotas e se ralou toda. A cicatriz ficou até hoje na pata tamanho foi o machucado.
    Temos que tomar muito cuidado com esta "correria toda", porque quando trata-se de brincadeiras, esses galgos são meio sem noção."

    É isso mesmo Renata, como diz um veterinário e amigo meu, os galgos só têm um único defeito de fabricação:
    "deveriam vir de fábrica com gaiola", aquela gaiolas de proteção, que tem em jipes..rs Deveriam mesmo, eu fecho até os olhos quando eles correm feito doidos.

    Ufa! Acabou? Não.

    Ainda faltam alguns tópicos, mas quero a ajuda de vocês antes de finalizarmos esse especial sobre Filhotes, me enviem mais dicas, cuidados e fotos com seus galgos que possam ilustrar nosso texto, não quero pegar fotos da net.

    E se alguém teve alguma experiência maravilhosa ou desastrosa com seu galgo ainda filhote, que merece ser contada nesse especial, é só falar. Eu incluo nos textos, da mesma maneira que fiz os comentários do Zé e da Grace. Adoro ouvir e compartilhar nossas experiências.

    Nosso email é contato@confrariadosgalgos.com.br .
    Mandem o que acharem interessante.

    Bjss

    Suzie e seu Kong

    Não é só porque está chovendo (de novo) que a Suzie brinca com o Kong. Mas não são todos os dias que ela o ganha, pra não enjoar do brinquedo. Aliás, o legal é fazer rodízio de brinquedos, assim o cachorro estará sempre motivado a brincar (no momento, a Suzie está toda esparramada no colchão, debaixo do cobertor, sonhando, cansadona e feliz).

    Podemos rechear o Kong com várias coisas diferentes (veja aqui). Desta vez fiz uns croquetes vegetarianos pra colocar no Kong (receita aqui). Ela ficou um tempão comendo, lambendo, roendo, jogando, dando patadas até que, enfim, conseguiu comer tudinho, nas duas vezes que dei (demorou cerca de 30 minutos cada vez, deixei meio difícil de propósito mesmo).

    Já escrevi bastante sobre o Kong aqui mas, se eu encontrar mais coisas a respeito, com certeza postarei, pois é muito importante oferecermos pros nossos cães uma vida rica. Afinal, nós temos TV, internet, livros e telefone; os cães precisam que nós proporcionemos uma vida com exercícios, contato social, desafios, ou seja, uma vida cheia de estímulos.

    Suzie brincando com o Kong
    Tentando tirar os palitinhos croc croc do Zé de dentro do Kong
    video
    Vídeo da Suzie brincando com o Kong e, de repente, olhando sei lá pro quê...

    Quanto de água nossos cães precicam beber?

    Difícil de saber. Mas, saiba que a água é vital para a saúde, é essencial para a vida. Ajuda na digestão, carrega e absorve nutrientes, elimina sujeira e controla a temperatura corporal.

    Juntos com o oxigênio, a água é o nutriente mais importante para o corpo do cão. Cães podem sobreviver sem comida por dias. O corpo do cão pode perder toda sua gordura e metade de proteína e, ainda assim, sobreviver. Mas quando o cão perde 10% da água corporal, as funções corporais cessam, causando doenças severas. 15% de perda de água o matará.

    Então, quanto de água eles precisam? Depende do nível de estresse, de quão ativo é o cão, seu tamanho, idade, saúde e tipo de alimento que come. O clima também é um fator.

    Não existe regra. Normalmente, os cães devem tomar água 2,5x mais que comem. Outra informação útil é pelo peso: um cão de 10 quilos ou menos precisa de cerca de 1 xícara de água para cada 2,5kg de peso. Então, um cão com 7,5kg beberia 3 xícaras de água por dia.

    Os cães não precisam somente beber sua cota diária de água. Também obtêm a água do alimento. Alimento úmido, ou natural, tem muito mais água que ração seca. Petiscos como maçãs são ótima fonte de água.

    Quando há água fresca e limpa disponível, o cão beberá o necessário para sua sobrevivência. Quanto mais fresca a água, mais atraente ela é para o cão. Ou seja: troque a água do seu cão pelo menos 3x ao dia. Eu realmente noto isso: sempre que troco a água da Suzie (várias vezes ao dia), ela bebe mais e com mais vontade. O mesmo acontece com a gente, né?!

    Mantenha a tigela do cão sempre limpa também. Se você não beberia dela, seu cão também não. Lave bem a tigela todo santo dia e desinfete-a regularmente.

    Quanto melhor for o "sabor" da água, mais seu cão beberá. Use água filtrada. Os cães também preferem água mais fresquinha. Algumas pessoas usam fonte para ajudar o cão a beber mais água. Ela filtra as impurezas, então a água é mais gostosa; e o movimento constante mantém a água fresquinha, do jeito que nossos peludos gostam.

    Fonte: www.petplace.com