Um pouco de história

Olá amigos queridos, eventalmente recebemos ( destinados a todos nós ) emails de diversas pessoas, como nós, apaixonadas pela raça.

Algumas tiveram essa paixão recém descoberta, em alguns casos através da própria Confraria, ou seja, através de nossos 'filhos' magrelos..rs porém outros já tem uma antiga história de amor com os galgos.

É muito legal trocar essas figurinhas, mas o melhor de tudo é que aprendemos muito com eles.

Publico abaixo um email que eu recebi do Sr. Elisio Paiva, uma pessoa que tem muito a nós acrescentar, até porque a maioria dos confrades,  como eu por exemplo, são marinheiros de primeira viagem e pessoas como o Sr. Elisio são verdadeiros mestres.

Leia abaixo o que ele nos diz em seus primeiros email..

"Bom dia! Recebo regularmente informações do mundo dos galgos e eu acho ótimo estar atento a este mundo e eu explico:
Já fui um criador de galgos. No início da década de 80 eu tive o prazer de ter Borzois e Wippets em minha companhia e acreditem que foi um relacionamento ímpar. Meus cães morreram de velhos, foram meus companheiros na minha mocidade e hoje o que me resta é acompanhar as raças de galgos pela mídia pois hoje tenho bracos alemães e um espaço reservado em meu coração para os galgos.
Aqui no Rio de Janeiro não tenho informações da existencia de nenhum criador, mas se existir, por favor faça contato comigo! Um forte abraço à todos! Boa noite a todos!! "

Elísio.. o Rio como eu digo é o paraiso dos galgos. Meu Zé é carioca, inclusive..rs
Te passei por email o contato da Denise, do site Galgos. ela irá te dar boas dicas de criadores aí do Rio.

Elisio, com certeza todos irão adorar suas histórias, se nós que conhecemos a pouco tempo esses cães maravilhosos, já temos assunto para uma vida toda, imagino você..rs
Se você tiver fotos daquela época será um prazer publicar, ok?

" Obrigado por retornar meu e-mail, ZéMagrelo( É isto mesmo??) Sou de um tempo em que os galgos sempre estavam em evidência nas exposições, lembro-me dos preparativos que fazíamos para levarmos nossos cães para as competições e acreditem que nos preparávamos como se fossemos para uma guerra, uma guerra saudável.

Nosso objetivo naquele tempo era encontrar os amigos e a exposição era um pretexto para estes encontros, se meus cães fossem classificados eu ficava profundamente feliz, se caso não fosse eu ficava feliz do mesmo jeito porque a classificação estava com um galgo certamente de algum amigo meu.

Engraçado... Fui arremessado agora aos anos 80 e lembro-me com muita clareza de criadores de galgos que deveriam ser lembrados tais como um amigo já falecido, o José Carlos Guimarães. Ele morava numa propriedade em Pedro do Rio, região serrana do Rio de Janeiro onde criava Afghans Hounds e Poodlles. Isto em um tempo em que os Afghans da linha Sackara's era o top line no Brasil trazido pelo então criador José Mauricio Machilinne, assim como a linha Mac'Inhintosh referente aos poodles ( eu nunca tive um poodel! ).

Para os amantes de galgos, assim como eu ( rRepito: Infelizmente não os tenho mais! ) é importante que saibam que muitas pessoas ajudaram a compor a história dos galgos no Brasil, precisamente no Rio de Janeiro que foi onde mais atuei. Lembrei-me da Srª Aldrei Coutinho uma criadora no município de Campos dos Goitacazes ( R.J ) proprietária do canil Borssaja's, especializado em Borzois. Esta senhora foi uma grande entusiasta da cinofilia e minha grande incentivadora na criação dos meus borzóis, hoje não tenho mais contato com ela pois afastou-se da cinofilia a muitos anos, assim como eu.

Numa dessas minhas idas às exposições, travei contato com uma racinha magricela mas com a disposição de um mangalarga ( raça de cavalo), que é o Wippet. Ê raça valente!

Me foi apresentada por uma criadora chamada Srª Emilia Banddell do canil Alhandra's. Era uma femeazinha que só me deu alegrias e muitos decendentes. Lembro-me de uma vez que ela pariu cinco filhotes e sem explicação ficou sem leite, eu sempre criei cães de caça e tinha uma Setter Irlandes de nome Cris do Maracanã do meu saudoso amigo Edson Gonçalves, também criador de cães de caça.

Esta cadela na época estava vazia e vendo a aflição dos filhotes e a nossa também, ficava me rodeando quando ia dar mamadeira aos bebês e então eu pegava um a um e dava para lamber as barriguinha para estimular a micção, foi aí que tive uma idéia de jerico, que foi colocar os filhotes para mamar nela. E não é que produziu leite? Pois é, uma Setter foi mãe de leite dos Whippets.
Existem muitas passagens sobre os meus inesquecíveis cães que se me permitirem irei contando na medida do possível!
Um forte e fraterno abraço à todos os amantes da Cinofilia!!! "


Adorei esse email riquissimo em informações,  eu desconheço muita coisa ainda da  história dos galgos, mas quero aprender. Deve ter sido um período fabuloso, as recordações devem ser realmente maravilhosas. Muito obrigada por compartilhar conosco!
Aguardamos o próximo capitulo..rs

3 comentários:

  1. Olá Elisio,

    adorei o fato de uma pessoa como o você estar aqui na Confraria!É muito bom saber estórias sobre galgos de alguém que vivenciou isso muito de perto.Infelizmente, aqui no Brasil, não temos livros traduzidos sobre a raça para poder estudarmos, e tudo o que você nos contar será de grande valia.
    Eu também sou uma apaixonada pela raça ( tatuei um galgo recentemente em minha costela! rs) e, admito, só tenho um porque no momento não tenho condições de criar mais de um em meu espaço. Mas tenho planos para um futuro proximo!!

    Seja bem vindo!!

    Renata.

    ResponderExcluir
  2. Rê.. posso falar????? ..rs

    Põe logo a foto da sua tatoo aqui.. TÁ TÂO LINDA!

    De todas as tatoos de whippet que já vi, a sua é a campeã.

    ResponderExcluir
  3. Anna Marilia [via email]20 de janeiro de 2010 20:38

    Prezado Sr.Elísio Paiva.
    Li com muita atenção seu artigo. Também sou daquela época. Ótimas exposições.
    Também conheci o Sr.José Carlos Guimarães. Também sempre tive whippets e participei de varias esposições.

    Conheci diversos criadores. Mas a mais importante deles foi Maria Lúcia Kernke do Canil Pirajense.

    Nós que gostamos dos Whippets não podemos esquecer da grande contribuição a esta raça e também aos Greyhounds.
    É importantíssima na divulgação dessa duas raças.

    Tenho o privilégio de ser amiga de Maria Lúcia até hoje.

    Eu também sempre tive os whippets. São especiais!

    Aproveito para agradecer seu artigo.
    Muito bom para as pessoas que pretendem ter esse lindo galgo.

    Atenciosamente Anna Marilia (Canil Casuarinas).

    ResponderExcluir